sexta-feira, 10 de julho de 2009

Meu amigo de palavras*



Deixem-me lhes apresentar um leitor. Leitor de palavra. Amigo de palavras. Ele se chama Bruno Wilnes. E, perdoem-me ilustradores, foi a primeira vez que vi um leitor tão ávido pelo texto de um livro ao folheá-lo pela primeira vez. Conheci-o durante a Flipinha 2009, em Paraty/RJ. Bruno foi acompanhar minha mediação de leitura na Biblioteca da Flipinha. Na ocasião, li Casa Botão, editado pela DCL. Depois, conversamos e lhe mostrei O emaranhado da maçaroca, editado recentemente pela Larousse Júnior. Para minha surpresa, em vez de folheá-lo para vislumbrar as belas imagens feitas pelo Renan Santos, Bruno deteve-se a lê-lo. E leu o livro inteiro! Eu iria para o palco principal, assistir ao bate-papo de Jonas Ribeiro e Ivan Zigg, mas declinei da opção para aguardar que Bruno terminasse a leitura. Compreendam-me, é raro termos um leitor tão entusiasmado primeiramente pelo texto. Confesso que me emocionei. No primeiro instante em que as pessoas tomam um livro infantil nas mãos, é comum correrem os olhos pelas imagens. Sempre penso que é elegância das pessoas não perder alguns minutos com a leitura num encontro casual. Mas Bruno fez diferente. Seu interesse residia nas palavras que compus para "O emaranhado...". Haverá elegância maior do que esta? Como na história que escrevi, dois meninos entrelaçam os fios da amizade, assim o foi comigo e Bruno. Outro dia ele esteve visitando este blogue. Descobriu-me na web e deixou um comentário no post abaixo, outra coisa rara dos leitores virtuais. Bruno, em seu comentário você disse não ter adquirido meu livro. Não se preocupe. Você, naquela manhã, me deu o melhor presente que um escritor que passa muito tempo escolhendo as melhores palavras para compor uma história deseja receber. Leu meu texto todo, de uma vez, sem desviar os olhos para os movimentos externos e coloridos que ilustravam os caminhos da praça em Paraty.

Obrigado, amigo!

*Título de uma nova história que estou escrevendo.

2 comentários:

Fátima Campilho disse...

Grande leitor, o Bruno!
Leitor sensível de um texto recheado de metáforas como é o Emaranhado.
Que emoção, hein, Hermes!
Passei rapidinho, estou enroladíssima!
Beijinhos

Sonia disse...

Hermes,é lindo e emocionante presenciar um criança lendo um livro.E uma obra tua; nem se fala.Parabéns!
Escritores como você , nossas crianças precisam conhecer e mergulhar neste encanto de mágia que é a leitura.